HIV infection at cell level

Uma mulher com HIV que recebeu um transplante de células-tronco do sangue do cordão umbilical para tratar a leucemia mielóide aguda não teve níveis detectáveis ​​de HIV por 14 meses, apesar da interrupção da terapia antirretroviral (ART), de acordo com uma apresentação na última Conferência de Retrovírus e Infecções Oportunistas (CROI). Este é o terceiro caso conhecido de remissão do HIV em um indivíduo que recebeu um transplante de células-tronco. A pesquisa foi conduzida pelo estudo observacional P1107 da International Maternal Pediatric Adolescent AIDS Clinical Trial Network (IMPAACT) liderado pelas médicas Yvonne Bryson, da Universidade da Califórnia em Los Angeles, e Deborah Persaud, da Universidade Johns Hopkins, em Baltimore.

O estudo IMPAACT P1107 começou em 2015 e foi um estudo observacional com base nos EUA projetado para descrever os resultados de até 25 participantes vivendo com HIV que foram submetidos a um transplante com células-tronco do sangue do cordão umbilical CCR5Δ32/Δ32 para tratamento de câncer, doença hematopoiética ou outras doença escondidas. Como resultado da mutação genética CCR5Δ32/Δ32, as células ausentes não possuem co-receptores CCR5, que é o que o HIV usa para infectar as células. Ao matar as células imunológicas cancerosas por meio de quimioterapia e, em seguida, transplantar células-tronco com a mutação genética CCR5, os cientistas teorizam que as pessoas com HIV desenvolvem um sistema imunológico resistente ao HIV.

O caso descrito envolve uma mulher diagnosticada com infecção pelo HIV há quatro anos no momento do diagnóstico de leucemia mielóide aguda. Ela alcançou remissão da leucemia mieloide aguda após quimioterapia. Antes de receber o transplante de células-tronco, o HIV do participante estava bem controlado, mas detectável. Em 2017, ela recebeu um transplante de células-tronco do sangue do cordão umbilical CCR5Δ32/Δ32 suplementadas com células de um doador adulto de um parente (chamadas células haplo).

Depois de receber o transplante de células-tronco, ela enxertou 100% de células do sangue do cordão umbilical no dia 100 e não teve HIV detectável. Aos 37 meses pós-transplante, o paciente cessou a TARV. De acordo com a equipe do estudo, nenhum HIV foi detectado no participante por 14 meses, exceto por uma detecção transitória de traços de DNA do HIV nas células sanguíneas da mulher em 14 semanas após a interrupção da TAR. As células haplo enxertadas apenas transitoriamente e contribuíram para uma rápida recuperação.

A remissão do HIV resultante de um transplante de células-tronco havia sido observada anteriormente em dois casos. O primeiro, conhecido como “paciente de Berlim” (homem caucasiano), teve remissão do HIV por 12 anos e foi considerado curado do HIV; ele morreu de leucemia em setembro de 2020. O “paciente de Londres” (um homem latino) está em remissão do HIV há mais de 30 meses. Este terceiro caso de remissão do HIV sugere que o transplante de células-tronco do cordão umbilical CCRΔ5/Δ32 deve ser considerado para alcançar a remissão e a cura do HIV para pessoas vivendo com HIV que necessitam de tal transplante para outras doenças, de acordo com a equipe do estudo.

A rede IMPAACT é financiada pelo Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas (NIAID), o Instituto Nacional de Saúde Infantil e Desenvolvimento Humano Eunice Kennedy Shriver e o Instituto Nacional de Saúde Mental, todos parte do NIH. O estudo P1107 é conduzido pela Rede IMPAACT, em colaboração com o Centro Internacional de Pesquisa em Transplantes de Sangue e Medula, StemCyte e o Grupo de Ensaios Clínicos de AIDS financiado pelo NIAID.

Para obter mais informações sobre o estudo, consulte o site https://clinicaltrials.gov usando o identificador NCT02140944.

Você pode acessar o post original no site da NIH (em inglês) através do link: https://bit.ly/3JC5z1X


Bioinfo3D – A bioinformática em todas as dimensões ® é um projeto mantido por doações voluntárias de pessoas como você. Faça um pix para a chave bioinfo3d@gmail.com e nos escreva caso queira colaborar de outras formas.

Nenhum comentário ainda

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.